Saúde precisa melhorar (e muito) em Tabira

Por Chico Carlos

A população quer uma saúde melhor da gestão municipal. Foto: Chico Carlos

Precisamente às 13h30 os caravaneiros do Grupo 5 chegaram em Tabira. Sol forte tomando conta da cidade que tem 388 quilômetros quadrados e mais de 26 mil habitantes.Tabira tem um polo comercial vigoroso de fazer inveja aos municípios vizinhos. No entanto, o setor de saúde vai mal das pernas. As críticas foram inúmeras.

A população reafirmou aos pesquisadores que faltam médicos no hospital municipal e nos postos de saúde. Além disso, o atendimento que existe deixa muito a desejar.  Talvez seja o problema mais grave da atual gestão tabirense. “O ano passado ele ameaçou fechar o hospital municipal, dizendo que os médicos estavam pedindo demissão, porque não queriam  ganhar R$ 8.500,00. Eu não acredito nessa história”, desabafou o aposentado José Gomes do Santos..

Água é outro problema

Contra fatos não existem argumentos. Segundo os moradores, para complicar a situação a água potável chega às casas de 15 em 15 dias. “Estamos entregues ao descaso das autoridades”, reclamou a balconista, Maria Auxiliadora Galvão. Até quando?

No auditório da Escola Municipal  José Rufino da Costa Neto (Dedé Monteiro), quase 200 participantes – professores, estudantes dos ensinos médio, fundamental  e normal, além de estudantes de enfermagem e  representantes do Conselho Tutelar – assistiram o filme “Pela Vida… Pelo Tempo”. Ao final da exibição, houve muita interatividade e questionamentos sobre a qualidade da assistência prestada aos usuários do SUS. Na realidade, um debate com comentários positivos entre os participantes e os caravaneiros.

Por sua vez, a fiscalização esteve no  Hospital Municipal Dr. José Luiz da Silva Neto e no PSF de Fátima, verificando que as condições de atendimento são precárias. Os problemas se acumulam no dia a dia. Porém, a saúde do povo não pode esperar. Falta planejamento  e uma política eficaz e direcionada para o setor. O PSF de Fátima, por exemplo, é uma casa improvisada e apertada. As janelas estão sem janelas, algumas salas sem pias, com paredes infiltradas e mofadas. A médica Verônica Cisneiros conversou com profissionais e disse que o clima é de insatisfação. O povo quer valer  o artigo 196 da Constituição: A saúde é direito de todos e dever do Estado.

Passava das 16h, quando os caravaneiros pegaram novamente a estrada. Amanhã, é a fase final do trabalho.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s